Exposição - O mundo mágico de Escher

quarta-feira, 27 de abril de 2011


Depois de passar por Brasília e Rio de Janeiro, a exposição interativa “O Mundo Mágico de Escher” apresenta obras do artista no CCBB de São Paulo.

A exposição faz parte da comemoração do centenário da imigração holandesa no país, e exibe obras do artista pertencentes ao museu de Haia, na Holanda. Além das pinturas, o visitante também pode experimentar instalações enigmáticas espalhadas por todo o prédio do museu. A exposição também conta com a exibição de um filme em 3D e a apresentação animada de alguns de seus desenhos.

“O Mundo Mágico de Escher” está em cartaz no CCBB paulistano até 17 de julho.

Escher nasceu no ano de 1898 em Leeuwarden, na Holanda e se formou pela  Escola de Arquitetura e Artes Decorativas da cidade holandesa de Haarlem. Dedicou sua vida ao desafio de criar imagens que instigassem o observador, sejam elas em formato de desenhos, esboços de prédios ou litografias. O artista morreu em 1972, aos 74 anos. 

“O mundo mágico de Escher”
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Álvares Penteado, 112 - São Paulo)
Quando: De terça-feira a domingo, das 9h às 20h
Quanto: Entrada gratuira
Visita mediada: das 9 às 19h

A vida oculta dos objetos - fotografias de Terry Border

terça-feira, 26 de abril de 2011


O artista americano Terry Border criou uma série de imagens criativas e cômicas, em que imagina objetos do cotidiano em situações inusitadas. Em sua nova série fotografias, ele usa bananas, ovos, pães, facas, colheres de pau e até uma pedra de gelo. Com o auxílio de arames, ele anima os objetos para realizar as cenas.
Nas fotos encontramos amendoins zumbis, um ovo órfão, a morte de um picolé, uma colher assassina e até mesmo um hambúrguer que, combinado com um pacote de batatas fritas e um refrigerante, se transformou na Estátua da Liberdade, entre outros.
O artista diz que para ter ideias costuma observar os objetos, pensar sobre o que eles lembram e criar algum tipo de história em cima disso.
"Tento me divertir durante o processo. Eu tenho um bom senso de humor. Gosto de rir, mas não consigo contar uma piada nem para salvar minha vida", diz.

a ideia desse post foi dica da Natalia Espíndola 

Capas de abril

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Gisele, sempre linda
Abril está terminando e junto com ele temos a seleção de capas do mês publicadas no Brasil para vocês conferirem. Muita coisa legal, muita coisa igual e algumas novidades.

Tivemos o lançamento da masculina GQ, que apesar de não estar com uma capa superlegal está com o miolo muito bonito e o Ipad bem feito. Outra novidade é a RG teen que trouxe uma capa PB estourada que dá um tratamento visual diferente das outras publicações do gênero. 

Também podemos encontrar uma pseudo-shakira ex-bbb na VIP, um Luciano Huck sem expressão (ele merecia um foto melhor!), a Vogue com pouquissímas chamadas (difícil ver isso, né?), a Marie Claire com sua capa especial de 20 anos e uma bela composição, a atípica presença de Bárbara Paz, a Maxim que depois do susto do mês passado está com uma capa ok, a Bravo! que cada vez mais apresenta capas gráficas, entre outros.

O destaque desse mês é capa da Claudia. Eu sei que é difícil errar com a Gisele mas a composição está ótima. A modelo é linda, a foto combina com a publicação e além de disso, tem o enorme jogo de cintura para diagramar esse monte de chamadas de um modo interessante e tipograficamente equilibrado. Desafio este que a Claúdia enfrenta em todas as edições. As únicas coisas que me incomodam um pouco é chamada no peito da moça e a flor dos 50 anos. A ideia (da flor) é bem legal mas nem sempre colocam uma ilustração com uma cara mais caprichada e talvez esse elemento não precisasse ocupar tanto espaço numa capa que já possui tantas informações (apesar de 50 ser muitaaaa coisa!)


E você? Concorda ou discorda? Qual a sua capa favorita?

And the Oscar goes to...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Oi, pessoal! Nesta última segunda-feira aconteceu o Prêmio Abril 2011 e a Lola Magazine (que é a revista que eu trabalho) ganhou o prêmio de "Melhor matéria completa de beleza" com Coque in the city!! Fiquei super feliz!!

O principal trunfo da matéria é optar por mulheres reais (
no lugar das modelos convencionais) numa série de fotos elegantes que trazem um serviço de beleza. Legal, né?

Ah! Também tem o vídeo: http://vimeo.com/22593574

Engenharia do papel - Parte II - Dobras Simples

domingo, 17 de abril de 2011

Dando continuidade a série de posts sobre engenharia do papel, veremos um pouco das principais dobras: estruturas a 90° e dobras desenvolvidas com abas. Perdeu o primeiro post? Clique aqui. 

Dobras desenvolvidas a partir da página base: estruturas a 90°
Essas são as estruturas pop-ups mais simples pois são feitas diretamente na página e não necessitam de nenhuma colagem. O corte da folha é feito de modo a armar a estrutura.

1. Dobra paralela quadrada - Nesse caso, as dobras da vertical (1) e da horizontal (2) possuem a mesma distância. O comprimento pode ser estendido para produzir um primas quadrado.


2. Dobras curta e longa Os planos vertical (1) e horizontal (2) têm comprimentos diferentes. (1=3), (2=4);(5) pode ter qualquer comprimento para que se forme o prisma retangular.


3. Dobras em ângulo grande e pequeno (diamante) A dobra tem um ângulo grande (60°) e um pequeno (30°). Ângulo 1>2. Se a dobra for no centro, o diamante terá lados iguais.


Dobras desenvolvidas com abas
Essas dobras são feitas a partir de peças fixadas na página base nos pontos de colagem armados a 180° quando a página fica aberta em plano. Todos os pop-ups desse tipo são feitos com abas e o pop-up divide a lombada.


4. Prisma triangular ou crista simétrica O prisma triagular (traçado em azul escuro) é armado sobre a página paralelamente à lombada. Comprimentos (1=2), (3=4), (3=1), 3>2 e 3>4. O pop up pode ser colado à face frontal da página-base ou a uma aba que se encaixa numa fenda e é colada no verso da página-base. Aplicando-se pelo menos uma das abas através da fenda, a resistência do pop-up será aumentada.


5. Dobras em coluna com apoio e reforço
A coluna central, nesse caso feita de cartão com dobra dupla, é posicionada na dobra da lombada. (1), (2), (3) e (4) têm o mesmo comprimento. (5) e (6) também têm comprimentos iguais. O comprimento da escora não deve exceder a largura da página ou o pop-up irá se projetar para do do refile frontal quando o livro for fechado.
A coluna e o reforço formam uma base muito estável para uma plataforma horizontal. As diversas abas de colagem (A e D) indicam pontos de colagem.


**No próximo post sobre engenharia do papel veremos cubos e cilindros usando a dobra 180° e volantes e rotação na superfície da página


Para fazer este post eu consultei O livro e o designer II, de Andrew Haslam, publicado pela Rosari.

Bolsadas - um editorial de moda de Phillip Toledano

quarta-feira, 6 de abril de 2011

O fotógrafo Philip Toledano é conhecido por seu estilo único e inusitado. Nasceu em Londres, filho de pai americano e mãe franco-marroquina. Para ele, as fotografias devem ser como as frases inacabadas, sempre tendo espaço para perguntas.

Já realizou trabalhos para a Vanity Fair, The New York Times Magazine, The New Yorker, Esquire, GQ, Wallpaper, The London Times, entre outros.

Eu já conhecia alguns stills com soluções bem interessantes feitos por ele, mas quando vi esse editorial de moda achei sensacional. 

Totalmente fora do lugar comum. O conjunto de fotos cheias de movimento surpreende pelo conceito: bolsas de luxo usadas como armas batendo no rosto das pessoas. Simplesmente incrível!

VII Fórum de Editoração - Campanha edite o fórum

terça-feira, 5 de abril de 2011

Como participante da comissão organizadora do IV e V Fórum de Editoração sinto muita alegria em divulgar essa iniciativa que contribui tanto para o meio editorial. No segundo semestre desse ano ocorrerá a sétima edição do evento e até o dia 25 de abril acontece a campanha Edite o Fórum de Editoração:

Para mais informações sobre a campanha acesse o site: http://www.eca.usp.br/forum/

Recreio: Como fazer sua própria raspadinha

Encontrei esse tutorial que, além de muito divertido, pode ser utilizado em protótipos de projetos cuja proposta inclui a raspadinha.

1) A lista de materiais é a seguinte:

- papel cartão;
- cola em bastão;
- adesivo plástico (contact) para isolar a área a ser raspada e não danificá-la;
- tinta acrílica metálica (de preferência de prata);
- detergente líquido.

2) Prepare antecipadamente a arte ou mensagem do cartão que você pretende aplicar a raspadinha. Imprima diretamente no papel cartão ou cole a arte em um cartão para dar suporte 
na hora de raspar.

3) Aplique o adesivo plástico na área destinada à raspadinha.
4) Misture bem a tinta acrílica metálica com o detergente. A proporção é uma parte de detergente para cada duas de tinta. 5) Pinte a parte coberta com o adesivo plástico e deixe secar. Certifique-se que a arte ou mensagem da raspadinha está totalmente oculta. Caso ainda esteja um pouco transparente, aplique outra camada para obter o resultado desejado.
Depois de seco é só raspar e se divertir ou apresentar o projeto!! =D 

2 de abril - Hans Andersen e o Dia Internacional do Livro Infantil

sábado, 2 de abril de 2011

Capas de O Patinho Feio, de 1894, com ilustrações de T. van Hojitema (esq.)
Contos de Fadas de Andersen com ilustrações de Frederick Richardson (dir.)
Hoje é o Dia Internacional do Livro Infantil, data que foi escolhida para homenagear Hans Christian Andersen (1805-1875), famoso escritor de contos infantis que nasceu neste dia.

Andersen era natural da Dinamarca, filho de um sapateiro e sua mãe era analfabeta. Mas, apesar das dificuldades financeiras, conseguiu estudar e desde cedo demonstrava aptidão para o teatro e a literatura.

Apesar de ter escrito romances adultos, livros de poesia e relatos de viagens, foram os contos infantis que tornaram-no famoso. Até então, eram raros os livros voltados especificamente para crianças.
Capas de Contos de Fada de Andersen: Amor de mãe (déc. 1870),
Quarenta contos de Andersen (1930) e Lendas de contos de Fada
Inicialmente, seus contos foram publicados como chapbook (gênero secundário de publicação produzido para ser comercializado por vendedores ambulantes, constituído por uma única folha impressa dobrada em doze ou dezesseis páginas) e combinavam fantasia com folclore. Em 1846 sua obra foi traduzida para o inglês e contou com ilustradores como Theo van Hojitema, Frederick Richardson, entre outros. 

Entre os títulos mais divulgados da obra de Andersen encontram-se: "O patinho feio", "O soldadinho de chumbo", "A roupa nova do Imperador", "A pequena sereia" e "A Menina dos Fósforos". Todas essas obras fazem parte do imaginário da maioria das crianças do mundo até os dias de hoje, tendo sido adaptados para o cinema, o teatro, a televisão, desenhos animados, etc.

Para quem se interesse por história da literatura infantil e especificamente capas de livros infantis, uma boa dica é o livro Era uma vez uma capa, da CosacNaify.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...